Posts com a Tag ‘lixo’

Falta de consciência, ou alienação: eis a questão!

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Tudo que colocamos em nossa mente vai  tornar-se riqueza ou ‘bomba’ para nossa vida. Isto é fato comprovado por especialistas. Precisamos, seguidamente, rever conceitos e procurar meios para dar  ‘destino’ aos lixos acumulados, que certamente em nada contribuirão para nossa caminhada individual, tampouco coletiva.  É preciso ‘arejar’ os compartimentos do nosso cérebro para que a poluição externa seja eliminada e dê lugar à saúde e o bem-estar.

 
Agora, imaginemos ‘os lixos’ que produzimos no dia a dia, em nossas casas, empresas etc., todos jogados na natureza? Nos últimos anos, e neste ano com mais intensidade, temos acompanhado um trabalho intenso de profissionais, estudantes, empresas e também da Folha do Mate, sobre a questão da sustentabilidade. São ações voltadas à conscientização para a correta destinação de tudo que um dia nos serviu, cumpriu a sua função, mas precisa ser descartado, o ‘lixo’. Palavra criada por nós para caracterizar tudo que “foi, é ou será”, produtos inertes ou repugnantes para alguns, malcheiroso para outros, ou entulho para muitos.

 
Muito ainda se poderia falar sobre as características destes descartes, que estão sendo cada vez mais jogados nas calçadas, nas esquinas, na frente de casas, ou apenas a 10 metros dos contêineres, como é o caso da rua Coronel Agra, esquina com Armando Ruschel.

 
Além dos ‘sacos plásticos’, jogados com os resíduos  em qualquer lugar, temos também a denúncia de terrenos sujos conforme uma leitora, moradora da Avenida, no loteamentos Parque do Chimarrão.

 
A moradora diz que são três terrenos ao redor de sua casa, e segundo ela, com esta onda de mosquitos da dengue está preocupada com o mato que toma conta do local.
Entender o processo de responsabilidades individuais não descarta a responsabilidade coletiva, ou até dos governantes que precisam também redobrar a preocupação, serem mais rigorosos, quanto à multas se necessário, e punições severas, como é o caso dos países avançados – onde um ‘toco’ de cigarro jogado no chão é motivo de prisão. É urgente que cada um assuma a sua parte, para não culparmos os outros depois de uma tragédia.

 

Beatriz Colombelli
beatriz@folhadomate.com.br

O destino correto prova a verdadeira consciência. Alguns metros e nossa tarefa está cumprida, no contêiner correto é claro

O desrespeito faz o lixo se acumular no centro

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Segunda-feira pela manhã, ao me dirigir ao centro da cidade para captar imagens  sobre o frio e a cerração, me deparei com uma cena incomum para mim, mas corriqueira para outro grupo de pessoas. Em frente a igreja Matriz, a auxiliar de serviços gerais da Casa Canônica, Maria Yolanda Frantz, caminhava de um lado para o outro varrendo e amontoando lixo.

 
Me aproximei e sem lembrar que no dia anterior haviam sido celebradas duas missas, perguntei se aquele monte de copos plásticos, carteiras de cigarros amassadas, canudinhos, embalagens de bolachas, papel higiênico, plásticos de balas e chiclés eram fruto do fim de semana. “Que nada, isso é de ontem à noite”, afirmou Maria Yolanda.
Sem parar de varrer as escadarias da igreja, me disse que é comum o local amanhecer daquele jeito. E mais. Nos arredores da igreja também se encontram camisinhas usadas e muito papel higiênico. Fui conferir e vi que o desrespeito e a falta de higiêne de alguns não tem limites.

 
Enquanto dona Maria Yolanda seguia sua rotina de limpar a sujeira deixada pelos outros, fui em direção à rua Osvaldo Aranha. Três ou quatro garis limpavam as calçadas e margens da rua. Me aproximei de um deles e perguntei se aquela sujeira era normal. “Isso aqui é sempre assim nos finais de semana. Parece que esse povo não tem mais jeito. O pessoal é muito porco”, me respondeu o gari, enquanto enchia um carrinho de mão com lixo semelhante ao deixado em frente a igreja.

 
E foi mais longe. Revelou que colocou duas lixeiras novas no trecho entre a rua Jacob Becker e a Travessa São Sebastião Mártir e ambas sumiram. Além de não usá-las para o fim  proposto, consumiram com elas. Uma falta de respeito sem tamanho. Uma situação que preocupa.

Alvaro Pegoraro
alvaro@folhadomate.com.br

Em frente à igreja Matriz, Maria Yolanda cumpre um ritual que se repete quase que diariamente

Sistema de coleta deve mudar

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

No dia 17 de setembro, a Folha do Mate publicou uma reportagem informando que o sistema de coleta de lixo do município iria mudar. De acordo com o prefeito, Airton Artus, os containeres seriam redistribuídos e usados apenas para recolhimento de materiais orgânicos, pois a prefeitura paga a coleta de lixo por containeres e o material recolhido pelos caminhões nos bairros por peso. Sendo assim, a ideia era utilizá-los apenas para o orgânico, que é mais pesado, e economizar cerca de R$ 20 mil por mês.

Um mês depois, no dia 17 de setembro, eu entrei em contato com o vice-prefeito, Giovane Wickert, para verificar a previsão de mudança no sistema de lixo. Ele explicou que o processo começaria em novembro e seria uma transição. Informou também que os containeres de lixo orgânico ficariam nos mesmos lugares e os de seco seriam redistribuídos (de duas em duas quadras seria deixado um, não em todos os pontos de coleta).

Esta semana fiz novo contato com a administração municipal para verificar o andamento da questão. Artus informou que a mudança explicada por Wickert deve acontecer nos próximos dias, possivelmente neste início de dezembro.

Ananda Etges

ananda@folhadomate.com.br

Pauta do leitor, para leitor

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Quem acessou o site da Folha do Mate nesta terça-feira observou um link denominado ‘Pauta do Leitor‘. Trata-se de mais um espaço de interatividade, colocada à disposição do leitor pela editoria, que selecionará sugestões e as encaminhará para elaboração de matérias.

O selo identifica que os textos, produzidos pela equipe de repórteres da Folha, são sugeridos pelos leitores. É imprescindível, desta forma, que o ‘pauteiro’ se identifique com o nome completo, telefone e e-mail, e ainda, se for o caso, atenda o retorno da editoria.

Importante também que as sugestões sejam de interesse da comunidade, como foi o caso da primeira matéria veiculada através do Pauta do Leitor. Roslene Pergher quis saber sobre a destinação do lixo de Venâncio Aires e quem respondeu na edição desta terça-feira do jornal impresso (ver também no site) foi o secretário municipal do Meio Ambiente, Fernando Heisler.

Solicitamos que as pautas sejam enviadas pelo e-mail redacao@folhadomate.com.br ou através do site da Folha do Mate, no link ‘Leitor Repórter’.

Participe e boa leitura!

Caco Villanova

caco@folhadomate.com.br

O nosso lixo de cada dia

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Recebi e-mail do administrador do site ‘Máfia do Lixo‘, Enio Raffin, comentando postagem de 28 de dezembro, intitulada ‘Briga de cachorro grande‘, sobre a disputa que se estabeleceu sobre a coleta, destinação e reciclagem do lixo no Brasil e a representação questionando a licitação aberta pela prefeitura de Venâncio Aires, movida por ele no Ministério Público do Estado e pela empresa que perdeu o processo, no Tribunal de Contas do Estado.

 

Jornalista Caco Villanova,

Acabei de ler a tua coluna ‘Da Redação’ publicada hoje (NR.: 28 de dezembro) no jornal Folha do Mate.

Cabe inicialmente comentar que o site Máfia do Lixo, publicado no endereço eletrônico www.mafiadolixo.com, tem por autor Enio Noronha Raffin.

Na data de 1º. de janeiro de 2010 o portal Máfia do Lixo inicia o seu 7º. Ano de veiculação na internet.

Diariamente são 12.000 leitores que acessam a página Máfia do Lixo onde publico textos sobre a área de Limpeza Urbana e de Meio Ambiente de municípios brasileiros, entre outros temas de interesse nacional.

Cabe considerar que recebi diversos documentos referente a concorrência número 029/2009 que trata da contratação de empresa privada para a prestação de serviços de limpeza urbana da cidade de Venâncio Aires, certame esse promovido pela Prefeitura local.

Os documentos em minha posse fazem parte da representação de nº 9634-0200/09-4 ingressada em novembro de 2009 no Tribunal de Contas do Rio Grande do Sul (TCE-RS) pela empresa Urbanizadora Lenan Ltda.

Os documentos em questão estão sendo examinados também no Expediente – MPC nº 754 do Ministério Público de Contas, órgão que atua junto ao TCE-RS.

O processo acima citado está sendo analisado em caráter de ‘Inspeção Especial’ pela Corte de Contas, ou seja, o tribunal gaúcho entendeu que o tema é relevante e urgente e não esperou para avaliar a licitação pública do lixo junto com as contas do Município de Venâncio Aires.

Como técnico em limpeza urbana e meio ambiente realizei diversas auditorias em processos licitatórios de municípios brasileiros que buscam contratar empresas privadas.

Entre as concorrências públicas da área do lixo por mim investigadas e comentadas no portal Máfia do Lixo, posso citar o da Prefeitura de Porto Alegre (gestão do PT e da administração PPS/PMDB), da Prefeitura de São Paulo (gestão PT), de Canoas (gestão PSDB), de Belo Horizonte (gestão PT) e da Prefeitura de Curitiba (gestão PSDB), entre outras cidades que poderia ainda aqui mencionar (Gravataí, Novo Hamburgo, Pelotas etc…).

A concorrência da Prefeitura de Venâncio Aires é mais uma entre centenas que são realizadas todos os anos no Brasil.

O que destaca o tema de Venâncio Aires entre os itens supostamente irregulares já apontados na imprensa e na representação que tramita no TCE-RS (nº 9634-0200/09-4) e no MPC (Expediente – MPC nº 754) está o que prevê a ‘coleta automatizada’ ou mecanizada como é conhecida na área do lixo.

Não pode uma empresa privada, que não participa da concorrência, definir quem será a vencedora de uma licitação pública. Esse é meu entendimento e certamente poderia citar a Lei Federal no. 8.666/93 – Lei das Licitações – para melhor entendimento.

Uma empresa privada que não é licitante na concorrência no. 029/2009, mas que tem interesse direto no resultado, propôs preços diferentes do item editalício ‘caminhões e containeres’ (exigidos no edital em Venâncio Aires) para as duas empresas participantes do certame. Isso elimina previamente uma empresa e elege a outra vencedora.

Para a empresa Cone Sul, que já presta serviços de limpeza urbana em Venâncio Aires, o preço proposto pela fornecedora de caminhões e containeres foi o menor do que ofertado a empresa Urbanizadora Lenan Ltda. Ou seja, somente esse item editalício de ‘caminhões e containeres’ na concorrência no. 029/2009, no meu entendimento, define quem será a empresa vencedora da concorrência.

É importante mencionar que a empresa Cone Sul foi desclassificada, no mês de novembro de 2009, na concorrência do lixo em Pelotas (RS), cuja ‘carta convite’ exigia 400 containeres e caminhões para a contratação da execução dos serviços de ‘coleta automatizada’ ou mecanizada na cidade.

Lá os 400 containeres e caminhões foram fornecidos pela Themac do Brasil Equipamentos Ltda (representante de equipamentos italianos), a mesma empresa que firmou contrato em novembro desse ano com a Cone Sul, a qual participa da concorrência de Venâncio Aires.

Isso, por si só, deve ser profundamente investigado pelo Ministério Público Estadual, pelo Ministério Público de Contas e Tribunal de Contas do Rio Grande do Sul. Para isso um aditamento será protocolado a representação nesses órgãos, requerendo a analise dos fatos em questão.

Finalmente o próprio jornalista poderia conhecer os preços praticados pela Themac do Brasil em Caxias do Sul, Pelotas e Venâncio Aires, no que se refere ao item de fornecimento de caminhões e containeres para a coleta automatizada ou mecanizada.

Espero que tenha colaborado com o jornalista.

Coloco-me a disposição sempre que necessário.

Atenciosamente.

Adm. Enio Noronha Raffin”

 

Sobre a licitação, o prefeito Airton Artus vem defendendo sua seriedade, afirmando que, se constatada alguma irregularidade cancelará o processo. Com relação ao preço do serviço apresentado pela Conesul Soluções Ambientais, de R$ 177.383,34 mensais pela coleta de lixo, observa que o valor anterior, de R$ 101 mil, estava defasado, transparecendo um acréscimo de 75%. Calcula que, hoje, seria em torno de R$ 135 mil. Ele afirmou também que exigirá da empresa vencedora um serviço de qualidade.

O TCE não tem parecer sobre o processo e informa em seu site que os prazos processuais estão suspensos desde 20 de dezembro de 2009 até esta quarta-feira, 6 de janeiro de 2010.

Caco Villanova

caco@folhadomate.com.br

Briga de cachorro grande

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Tenho observado que a questão do lixo é algo bem complexo. Até há alguns anos atrás, pouco se importava com uma destinação correta dos resíduos. Os depósitos eram a céu aberto e não havia preocupação de que poderiam estar contaminando o solo, a água e prejudicando a saúde das pessoas. De repente virou um grande negócio. Empresas se deram conta que poderiam faturar com os ‘restos’, seja através da coleta e destinação ou da reciclagem, e passaram a disputar ferrenhamente uma fatia neste novo mercado.

Em Venâncio Aires não está sendo diferente. A prefeitura abriu licitação e duas empresas participaram da concorrência. Uma venceu. A Conesul, que já presta serviço ao município, apresentou valor de R$ 177 mil, incluindo a automatização da coleta no centro. A outra, a Lenan Urbanizadora, vem questionando o processo, deste a apresentação das propostas. Está no seu direito. Só que, além de levar o assunto ao Tribunal de Contas do Estado (TCE), o publicitou no site denominado ‘Mafia do Lixo’ que, como o nome diz, trata dos assuntos obscuros da questão lixo.

A empresa tem abastecido o responsável pela página eletrônica, o consultor de limpeza Enio Noronha Raffin, com os assuntos de Venâncio Aires. Aliás, o próprio administrador do ‘Máfia do Lixo’ quem levou o assunto ao MPC, que não tem parecer a respeito e não deve tê-lo antes de janeiro de 2010.

O prefeito Airton Artus se mostrou tranquilo em relação a licitude do processo. Acrescentou que, se constatada alguma irregularidade, vai determinar o cancelamento da licitação.

Caco Villanova

caco@folhadomate.com.br

Quando a imprensa faz a sua parte

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

A série de reportagens ‘Faça a Sua Parte’ chega ao fim amanhã. Foram três meses produzindo matérias dedicadas exclusivamente à destinação correta de resíduos secos e orgânicos. Muito além de ensinar que papel é seco e casca de laranja é orgânico, a Folha do Mate se propôs a discutir a questão do lixo.

Foi necessário clareza de foco, estudo e muito trabalho para organizar a série, que, felizmente, teve de ser ampliada devido aos muitos bons exemplos encontrados. Mas antes de sair a campo, com máquina fotográfica e bloco de anotações, um passo se tornou imprescindível: abandonar preconceitos.

Seria muito fácil dizer para os leitores que a garrafa pet e a caixinha de leite podem ser reciclados. No entanto, com coragem e embasamento, afirmamos que sim, eles são recicláveis, desde que limpos. Se sujos inutilizam os outros materiais e atraem animais nos depósitos. Ou seja, é preciso lavar ou passar um guardanapo. Cascas de frutas e restos de ervas são lixo orgânico, claro. Mas também podem adubar a horta no quintal de casa e, dessa forma, diminuir a superlotação nos aterros sanitários.

Tudo muito simples, desde que estejamos dispostos a abandonar nosso simplismo. Separar lixo corretamente é importante, assim como destiná-lo, reaproveitá-lo e, melhor, diminuir sua quantidade. Não é demais conscientizar as pessoas, desde que o ensinamento venha para somar ou alterar. Repetir palavras e velhos conceitos não é função da imprensa. Apenas quando ela polemiza, modifica e melhora é que está fazendo a sua parte.

Diana Azeredo

diana@folhadomate.com.br

Reciclar conceitos é o primeiro passo para ajudar o meio ambiente

Reciclar conceitos é o primeiro passo para ajudar o meio ambiente (Foto: Diana Azeredo)